Rubéola

O Ministério da Saúde lançou o Programa “Brasil Livre da Rubéola”. Através das ações previstas no programa o governo federal em parceria com as secretarias de saúde do estado e municípios, tem como meta erradicar a rubéola do território brasileiro até o ano de 2010. A rubéola é uma doença antiga, sendo que os primeiros registros mencionando o nome rubella datam do ano de 1866, que à época era descrita como uma doença confundível com a escarlatina. Com a evolução da ciência descobriu-se que a rubéola é uma doença viral, infecto-contagiosa, e no ano de 1992, depois de muitos estudos científicos surgiram às primeiras vacinas para a rubéola, fabricadas a partir do próprio vírus da doença assim como as vacinas de caxumba e catapora.

Rubéola
Rubéola

Assim o vírus é digamos diluído ou enfraquecido e então a pessoa recebe essa porção do vírus que não é suficiente para desencadear o processo infeccioso, entretanto é suficiente para que o organismo desenvolva anticorpos para se defender. No ano de 1970 a vacina da rubéola passa a ser comercializada em diversos países. No Brasil desde a década de 90 as crianças recebem com pouco mais de um ano a vacina tríplice, sendo esta exigida pelos órgãos de saúde com campanhas ostensivas para que todas as crianças sejam vacinadas e assim estejam protegidas contra o sarampo a caxumba e a rubéola.

Rubéola
Vacina de Rubéola

O contagio da rubéola é simples e se dá através do ar, de uma pessoa para outra através da respiração, quando o indivíduo contaminado lança o vírus até através de uma conversa e outrem pode através da respiração acolher o vírus e contrair então a doença, que pode ficar encubada por até 3 semanas. Durante o período de encubação a pessoa já está contaminada com o vírus da rubéola, porém este ainda não se manifestou porque ainda não se desenvolveu o suficiente, assim escondido em nosso organismo ele vai se desenvolvendo, proliferando até que tenha força para finalmente num momento em que nossas defesas estejam mais baixas aparecer. É nesse momento que o portador da rubéola começa a sentir os sintomas da doença que são: ínguas no pescoço e na nuca, manchas avermelhadas pelo corpo, especialmente no rosto, e febre. Em alguns casos a rubéola pode apresentar seus sintomas de maneira mais branda, quando muitas pessoas acabam contraindo a doença e curando-a sem saberem exatamente de qual mal padeceram.

Rubéola
Sintomas de Rubéola

A rubéola na maioria dos casos é considerada uma doença benigna, não trazendo maiores prejuízos as pessoas por ela acometidas. Crianças e adultos passam pelo estágio da doença sem conseqüências. O mesmo não acontece quando a doença atinge mulheres grávidas, nesse caso a rubéola passa a ser um problema grave, pois o vírus atinge o feto e na maioria dos casos causa lesões sérias. Nas gestantes a rubéola poderá ocasionar o aborto do feto ou nascer com defeitos congênitos tais como problemas de coração, retardo mental, cegueira, surdes, etc., quando é denominada Síndrome da Rubéola Congênita. A campanha do Ministério da Saúde pretende eliminar os surtos de rubéola que acontecem eventualmente, e especialmente os efeitos da SRC, vacinando especialmente mulheres em idade fértil. Se você é mulher e está em idade fértil, procure um posto de saúde perto da sua casa e não deixe de se vacinar, ou procure seu instituto de seguro saúde e descubra onde se vacinar. Mulheres grávidas não devem tomar a vacina da rubéola.

Gostou do artigo sobre Rubéola? Veja mais sobre Plano de Saude aqui!

d